Imagem do Post

Produtos e vantagens do mapeamento aéreo

POR QUE UTILIZAR

A chave para o sucesso de qualquer atividade econômica é a gestão de recursos. Entender exatamente o que acontece em uma plantação, em uma mina ou em uma floresta é fundamental para que o setor primário prospere – e é neste ponto que o mapeamento e a coleta de dados se encaixam como ferramentas imprescindíveis.

Dependendo do objeto a ser estudado, esse processo pode ser realizado com equipes em campo, medindo e catalogando informações manualmente ou com a utilização de ferramentas de sensoriamento remoto, isto é, sem contato direto com o objeto analisado.

O emprego dessa técnica pode ser muito vantajoso, pois possibilita mais agilidade na aquisição de dados e diminui a necessidade de grandes equipes em campo. O sensoriamento remoto pode ser realizado com o auxílio de aviões ou helicópteros, satélites, espectroradiômetros, sensores de mão, sensores aplicados em veículos terrestres e também os VANTs, Veículos Aéreos Não Tripulados, popularmente conhecidos como “drones”.

Com o sensoriamento remoto podemos estimar a produtividade de uma mina ou área de cultivo, verificar a saúde das plantas, apontar diferentes coberturas de solo e uma série de outras aplicações, as quais iremos nos aprofundar nos itens a seguir. Mas antes, vamos ressaltar as vantagens que os VANTs apresentam em relação às tecnologias citadas anteriormente.

Os VANTs são Veículos Aéreos Não Tripulados utilizados para mapear e coletar informações a respeito de uma área. O voo é planejado em um software específico. O drone, então, sobrevoa a área pré-definida automaticamente, realizando fotografias sequenciais ao longo do percurso. Após o pouso, o operador deverá fazer o download das imagens e processá-las em software da área para que, desse modo, sejam traduzidas em mapas passíveis de análise.

Em termos gerais, as principais vantagens para a utilização de drones no mapeamento aéreo seriam:

Baixo custo operacional: Se comparado aos equipamentos convencionais de levantamento aéreo (aviões, helicópteros e satélites), o custo de manutenção de um VANT é muito menor. Além disso, os drones dispensam a necessidade de uma grande equipe técnica, pois a aeronave opera sozinha.

Facilidade de uso: Essa mesma autonomia simplifica toda a operação, inclusive a decolagem e o pouso.

Ideal para grandes terrenos: Os VANTs de asa fixa são muito ágeis, com boa autonomia e precisão, ou seja, ideais para cobrir grandes áreas. Trabalhos como levantamentos topográficos tornam-se muito mais simples e rápidos.

Alcance de áreas de risco: Os drones são capazes de sobrevoar áreas de difícil acesso, evitando que a equipe técnica se envolva em possíveis riscos. O levantamento aéreo também não interfere nas atividades de mineração, extração de produtos florestais, entre outros.

Segurança: Por operarem sozinhos, seguindo um plano de voo pré-programado, os drones não oferecem riscos ao operador. Para operar um drone é importante observar a regulamentação divulgada pela ANAC.

Precisão de dados: Outra vantagem é a precisão nos dados coletados por esse equipamento. Se compararmos os drones com outros métodos de medições, veremos que as imagens captadas por eles apresentam distorções menores: aproximadamente 3 cm nos eixos X e Y e até 10 cm no eixo Z, e aproximadamente 2% no cálculo do volume. Para se ter uma ideia, o erro médio de geoposicionamento do ortomosacio é de aproximadamente 5 (cinco) metros com uma boa recepção de GPS.

Qualidade na análise dos resultados: As câmeras embarcadas nos VANTs registram imagens em alta resolução. Porém, para que façam sentido e possam ser analisadas, elas precisam ser “traduzidas” em um software específico, que ao processarem as imagens, fornecem mosaicos ortorretificados, modelos digitais de superfície (MDS), modelos digitais de terreno (MDT), curvas de nível e nuvem de pontos, usados para medir áreas, volumes e perímetros; calcular distâncias, alturas de objetos e seus volumes; gerar mapas em três dimensões, NDVI (que aponta a saúde de plantas) e mapas com informações topográficas (relevo e planialtimetria), além de mapas temáticos (hipsometria, áreas de APP, entre outros), como podem ser verificados na listagem abaixo:

Fonte: Google Earth Pro

 

Fonte: Vant Ebee – Congeo

PRODUTOS GERADOS

  • Imagens aéreas (fotos) e vídeos;
  • Ortomosaico Georreferenciado;
  • Identificação de Passivos Ambientais antes da aquisição de uma propriedade;
  • Monitoramento de Passivos Ambientais;
  • Monitoramento de Áreas Sensíveis Ambientais (APPs, Reservas Legais e Reflorestamentos);
  • Monitoramento de Vegetação;
  • Mapeamento e Monitoramento de Incêndios Florestais;
  • Mapeamentos Ambientais para Defesas Técnicas de Autuações;
  • Delimitação de Áreas;
  • Curvas de Nível;
  • Levantamento Planialtimétrico;
  • Mapa de Declividade;
  • Monitoramento de Falhas de Plantio;
  • Contagem de Indivíduos Florestais;
  • Modelagem 3D do Empreendimento Rural;
  • Mapeamento e Monitoramento do Plantio;
  • Cálculo de Volumes do Monte do Bagaço;
  • Identificação de Passivos Ambientais antes da aquisição de uma propriedade;
  • Cálculo de volume e estoques da mineração;
  • Estimativa de volume nos taludes;
  • Cadastro dos logradouros públicos;
  • Cadastro dos imóveis públicos.

E aí, gostou? Conte conosco para implementar essa tecnologia na sua área de atuação.

Receba o contato de um de nossos consultores em até 24 horas